Visão do Correio: Covid-19 e os riscos da desmobilização

A pandemia de covid-19, que muitos se apressaram em declarar encerrada, volta a dar sinais de alerta em todo o país, e desperta a atenção para outra realidade que se acreditava superada: a falta de vacinas, agravada pela estagnação da imunização e pela baixa procura, mesmo por grupos para os quais há doses disponíveis.

Correio Brasiliense

2022-11-25 11:40:13

COMPARTILHE:

A pandemia de covid-19, que muitos se apressaram em declarar encerrada, volta a dar sinais de alerta em todo o país, e desperta a atenção para outra realidade que se acreditava superada: a falta de vacinas, agravada pela estagnação da imunização e pela baixa procura, mesmo por grupos para os quais há doses disponíveis.

Depois de uma queda consistente no total de casos a partir de meados de julho, o Brasil volta a detectar aumento nos diagnósticos, que superaram 22 mil no último balanço de 24 horas do Ministério da Saúde, com média móvel de 20 mil para o período de sete dias seguindo tendência de alta, segundo dados de ontem do Conselho Nacional dos Secretários de Saúde.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) detecta em seu mais recente boletim o aumento de infecções pelo coronavírus entre os diagnósticos positivos de Síndrome Respiratória Aguda Grave em estados de todas as regiões do país. Pior: dos casos graves, 93,3% dos que resultaram em morte tinham relação com a covid-19.

Com o repique das infecções, entidades como a Fiocruz voltam a aconselhar o uso de máscaras em locais fechados, com ventilação restrita ou com aglomerações. A recomendação é extensiva, mesmo em outros ambientes e situações, a pessoas com fatores de risco para complicações da covid-19, como idosos, mulheres grávidas, pacientes com baixa imunidade ou com outras doenças associadas.

O alerta atribuído ao Tribunal de Contas da União sobre o descontrole federal quanto à vacinação espelha uma preocupação nacional: o repique nos diagnósticos de contágio pelo coronavírus, associado à identificação de novas subvariantes, encontra o país com relaxamento generalizado nas políticas de prevenção, ausência de campanhas oficiais e incapacidade de abastecer estados e municípios de imunizantes suficientes para proteger suas populações.

Nesse sentido, vale observar avaliação feita pela fundação em documento intitulado Convivência com a covid-19 na Fiocruz, divulgado no fim da última semana. Em meio a recomendações voltadas para o público interno, a entidade científica lembra que, em 22 de abril deste ano, o Ministério da Saúde declarou o encerramento da Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional em decorrência da pandemia, dando prazo de 30 dias para que estados, municípios e instituições federais adaptassem suas normas à nova condição.

A Fiocruz chama a atenção para o fato de que a decisão federal trouxe impactos para as compras e contratações públicas necessárias para enfrentar a doença, além de interferir nos registros de produtos para prevenção e tratamento e até na regulamentação do trabalho presencial ou remoto de servidores públicos.

Para piorar, a atual gestão federal, acusada de não ter respondido satisfatoriamente à pandemia no auge da mobilização mundial, se encontra em clima de paralisia. Uma condição que não transmite perspectivas de melhora até o início do ano, quando assume o governo eleito — este, por sua vez, ainda incapaz de atuar oficialmente, além de totalmente envolvido em questões orçamentárias e políticas.

O pesadelo da desassistência vivido nos piores momentos da pandemia, quando faltavam vacinas, leitos, respiradores, sedativos e até oxigênio em alguns pontos do país, ainda está vivo na memória dos brasileiros. Mesmo que em escala infinitamente menor, por ora, a população não esperava ter de se preocupar novamente com ele tão cedo.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar