Juiz concede medida protetiva a advogada agredida por bolsonarista no RS

O juiz Cristiano Eduardo Menck, da comarca de Casca (RS), cidade localizada a 234 quilômetros de Porto Alegre, concedeu nesta quinta-feira (24/11) medida protetiva à advogada Janaíra Ramos, que relatou ter sido agredida física e verbalmente, além de ameaçada de morte, nesta quarta (23/11)...

Consultor Jurídico

2022-11-25 00:30:08

COMPARTILHE:

O juiz Cristiano Eduardo Menck, da comarca de Casca (RS), cidade localizada a 234 quilômetros de Porto Alegre, concedeu nesta quinta-feira (24/11) medida protetiva à advogada Janaíra Ramos, que relatou ter sido agredida física e verbalmente, além de ameaçada de morte, nesta quarta (23/11) pelo arquiteto bolsonarista Rodrigo Tondelo.

Janaíra afirma que as agressões e ameaças de Tondelo fazem parte de ação mais ampla de perseguição às pessoas que não apoiam o presidente Jair Bolsonaro na cidade.

'Tudo começou no dia 31 de outubro, logo após a vitória do candidato Luiz Inácio Lula da Silva. Esse grupo de apoio a Bolsonaro fez uma lista de comerciantes em Casca que deveriam sofrer boicote por terem declarado apoio ao candidato do PT. Meu nome constava dessa lista com 20 estabelecimentos, e estava grafado de modo errado', contou a advogada.

A situação, segundo ela, agravou-se no fim da manhã desta quarta, quando o arquiteto foi até o seu escritório e, além de agredi-la fisicamente, ameaçou-a de morte.

'Eu estava numa reunião virtual quando o interfone tocou. Olhei o monitor e vi uma pessoa com calça e camisa sociais. Não reconheci quem era, mas abri a porta e pedi para aguardar um instante até eu concluir a reunião. Ele ficou filmando o interior do escritório, achei estranho.'

Ao concluir a videoconferência, Janaíra pediu para o homem se identificar. Quando ele disse que era Rodrigo Tondelo, ela pediu para que se retirasse de seu escritório.

'Identifiquei que ele é um dos organizadores dos bloqueios de rodovias no município. Ele disse que estava lá para me dar um aviso, para parar de denegrir a imagem da cidade. E que se voltasse lá mais uma vez seria para me matar.' Tondelo, conforme contou a advogada, chegou a empurrá-la. Ao passar pelo portão da rua, ela recebeu um forte tapa nas costas e um chute.

De acordo com o delegado de Casca, Cristiano de Bone, o arquiteto admitiu ter se excedido e chutado a advogada.

Acompanhamento da OAB O presidente da subseção da Ordem dos Advogados do Brasil de Casca, Clark Tadeu Zordan, condenou as agressões praticadas contra Janaíra e disse que a entidade acompanhará o andamento dos processos relacionados ao caso.

'A atuação da OAB se concentrará em condenar publicamente o fato, acompanhar o caso e dar assistência à colega agredida. As medidas tendentes a garantir a segurança da vítima, e a responsabilização do agressor, fogem de nossa alçada e poder de atuação, cabendo às autoridades competentes, Polícia Civil, Ministério Público e Poder Judiciário. Entretanto, a OAB acompanhará o trâmite dos processos relacionados ao caso e dará assistência e acompanhamento à advogada agredida através da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas', disse ele à revista eletrônica Consultor Jurídico.

De acordo com a subseção da OAB na cidade, que emitiu nota de repúdio, 'o episódio decorre da denúncia produzida pela profissional acerca da divulgação de listas de boicote que sugerem a não contratação de advogados e advogadas (e outros profissionais) por eventual posição política. Sobre as referidas listas, a OAB-RS já oficiou o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) solicitando providências a fim de que o órgão investigue a autoria do material e avalie as eventuais medidas judiciais cabíveis'.

O candidato mais votado no segundo turno das eleições presidenciais em Casca foi Jair Bolsonaro, com 72,28% dos votos (4.557), ante 27,72% de Lula (1.748).

Rodrigo Tondelo foi procurado pela Conjur, mas não foi possível estabelecer ligação telefônica com ele. Em suas redes sociais, ele alegou que está sendo caluniado e difamado pela advogada e que tomará as medidas judiciais cabíveis.

'Um chute na bundinha, antes de ir embora. Foi tudo o que eu fiz. Essa pessoa está mentindo. Quando eu toquei no ombro, ela falou que eu tinha agredido. Mentiu sobre as ameaças e a agressão. Será processada por calúnia e difamação. As câmeras de segurança vão mostrar a farsa', escreveu ele, que posteriormente apagou a postagem.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar