Fábio Felix sobre Lula: 'É o único democrático, até para divergimos'

Distrital reeleito pelo PSol, com a maior votação da história do DF, vai às ruas trabalhar pela eleição do ex-presidente. Para o segundo mandato na CLDF, garante defender a assistência social e a saúde

Correio Brasiliense

2022-10-07 02:54:08

COMPARTILHE:

Fábio Felix (PSol), o recordista de votos para a Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), defendeu o voto em Luiz Inácio Lula da Silva (PT), nesta quinta-feira (6/10), em entrevista ao CB.Poder — programa do Correio. Para o parlamentar, que assume o segundo mandato na casa no próximo ano, o ex-presidente é o único candidato com 'condições de construir um terreno democrático, até para divergirmos.' Lula enfrenta Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno, em 30 de outubro.

Felix conquistou mais de 51,7 mil votos no último domingo (2/10), dia em que os brasilienses reconduziram Ibaneis Rocha (MDB) para mais quatro anos no Palácio do Buriti e elegeram Damares Alves (Republicanos) e Bia Kicis (PL) para o Congresso Nacional, duas ferrenhas defensoras de Bolsonaro. O partido do presidente emplacou quatro deputados distritais — Daniel Donizet, Roosevelt Vilela, Joaquim Roriz Neto e Thiago Manzoni — e dois federais — Kicis e Fraga.

Sobre os resultados do primeiro turno, Felix afirmou não haver apenas 'notícias ruins' na capital do país. 'A votação de Lula melhorou muito no DF em relação às eleições passadas no DF, então há mais espaço para dialogar', avaliou. Em 2018, Fernando Haddad (PT), candidato de Lula, conquistou, no DF, 16,6% no primeiro turno e 30,01% no segundo. O ex-presidente acumulou 36,85% dos brasilienses na primeira etapa das eleições de 2022.

'Meu partido e meu apoio continuam com Lula. Faremos todos os esforços possíveis para elegê-lo e diminuir a diferença para o Bolsonaro no DF. Nossa ideia é começar, a partir de amanhã (sexta-feira), campanhas nas rodoviárias de diferentes cidades do DF para virar votos', comentou.

'Muita gente indecisa ou que apostou em uma terceira via agora pode perceber que o mais importante é defender a democracia. Não se trata, simplesmente, da defesa de Lula ou de quem ama o PT, mas, sim, de manter as instituições de pé, fortalecer as políticas públicas, enfrentar a pobreza e [ter] política educacional estruturada. Ontem mesmo, o governo federal raspou os cofres das universidades e institutos federais. É hora de investir na educação e isso é feito defendendo a democracia e quem, minimamente, vai manter as políticas publicas funcionando', defendeu o deputado.

Felix fez, ainda, um apelo aos brasilienses: 'não se trata do personagem Lula, se trata da defesa da democracia brasileira. E o único candidato do segundo turno que tem compromisso com a democracia, com a Constituição de 1988, com os direitos humanos e com a dignidade das pessoas, inclusive a liberdade religiosa e a garantia do direito à religião e ao templo, é Lula. Ele tem condições de construir um terreno democrático, até para divergirmos.'

Para o parlamentar, a origem da violência política e do extremismo eleitoral é o bolsonarismo. 'Tem uma resposta equivocada, mas o ponto de partida dessa estratégia é o bolsonarismo, inegavelmente, com as maiores ameças, as mortes e os assassinatos. Esse projeto político — que ataca o STF (Supremo Tribunal Federal), chama manifestações contra instituições democráticas, odeia uma série de políticas públicas e alimenta teorias da conspiração — tem de ser derrotado nas urnas. Quem tem mais medo, neste momento, de se expressar na rua é quem vota no Lula. Isso demonstra o ponto de partida.'

Confira a entrevista, concedida ao jornalista Carlos Alexandre de Souza, na íntegra:

 

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar