‘Saiu da cadeia outro dia’, diz Datena sobre Valdemar, do PL de Bolsonaro

Apresentador reagiu a informação de que o presidente do partido vê dificuldade à sua candidatura pelo fato de o apresentador ter 'coisa no passado'

Veja

2022-05-20 19:45:15

COMPARTILHE:

O apresentador José Luiz Datena, pré-candidato ao Senado em São Paulo pelo PSC, reagiu nesta sexta-feira, 20, à informação publicada pelo Radar de que o presidente do PL, partido do presidente Jair Bolsonaro, Valdemar Costa Neto, prevê dificuldades a Datena concretizar a candidatura porque ele teria “coisa no passado”. “Ele saiu da cadeia outro dia”, diz Datena, referindo-se à prisão de Costa Neto após sua condenação no julgamento do mensalão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Ele ficou detido entre 2013 e 2014 em Brasília.

“Não pode o Valdemar Costa Neto dizer que eu tenho coisa no passado. Se ele acha isso, manda ele revelar, manda ele dizer que coisa é essa que eu tenho no passado. Eu sei o que ele tem no passado, ele saiu da cadeia outro dia. O Brasil inteiro sabe. Ele não tava na cadeia outro dia, o Valdemar? Manda ele dizer o que eu tenho no passado. Não venha falar do meu passado, que meu passado eu procuro mantê-lo ilibado. Não pode o cara que saiu da cadeia me encher o saco”, disse Datena a VEJA pouco antes de entrar no ar no seu Brasil Urgente, na TV Bandeirantes.

As declarações rebatidas pelo apresentador foram dadas por Valdemar em um almoço promovido nesta sexta-feira pelo Esfera Brasil. Segundo informou o Radar, o ex-deputado também lembrou que o jornalista já criticou muitos políticos, o que poderia ser explorado por adversários, mas disse torcer pela candidatura e que o apresentador seria “imbatível” nas urnas. Está reservada a Datena a vaga ao Senado na chapa do candidado do Republicanos ao governo de São Paulo, ex-ministro da Infraestrutura bolsonarista Tarcísio Freitas.

Com o programa ao vivo, Datena falou, sem citar Valdemar, em “bandidos” que “saíram da cadeia outro dia falando bobagem da vida dos outros”.

A VEJA, Datena deixou em aberto a possibilidade de não concorrer ao Senado, no que seria a quarta tentativa frustrada de entrar na política — ele já foi cogitado como candidato nas eleições de 2016, 2018 e 2020. “Se eu tiver que ser candidato, o presidente quiser, o Tarcísio quiser, eu serei. Se não quiserem que não seja, não serei, mais uma vez a política vai me jogar pra fora”, declarou.

Desde que se intensificaram as tratativas para integrar a chapa bolsonarista em São Paulo, nas últimas semanas, o apresentador da Band vem se queixando de ser alvo de “fogo-amigo” de militantes e políticos que não o querem como aliado de Bolsonaro e Tarcísio. Caso Datena desista, um dos nomes cogitados para ocupar seu lugar é o do ex-presidente da Fiesp Paulo Skaf, recém-filiado ao Republicanos, partido de Tarcísio Gomes de Freitas.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar