STF dá 48h para governo decidir sobre passaporte de vacina - ISTOÉ Independente

SÃO PAULO, 6 DEZ (ANSA) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Barroso concedeu nesta segunda-feira(6) prazo de 48 horas para que o governo federal se manifeste sobre uma ação judicial que pede a obrigatoriedade de quarentena e comprovação de vacinação contra a Covid-19 para quem entra no país.    A ação, protocolada pela […]

COMPARTILHE:

2021-12-06 22:27:05

Isto é

Brasil

Ansa

SÃO PAULO, 6 DEZ (ANSA) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Barroso concedeu nesta segunda-feira(6) prazo de 48 horas para que o governo federal se manifeste sobre uma ação judicial que pede a obrigatoriedade de quarentena e comprovação de vacinação contra a Covid-19 para quem entra no país.   

A ação, protocolada pela Rede Sustentabilidade, chegou ao Supremo no dia 26 de novembro e foi distribuída para o ministro, que é o relator do caso. A legenda pretende tornar obrigatória a adoção de recomendações feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).   

“Determino a oitiva das autoridades das quais emanou a Portaria nº 658/2021, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, tendo em vista a aproximação do recesso. Transcorrido o prazo, os autos devem retornar à conclusão, para apreciação das cautelares”, despachou Barroso.   

Segundo a Anvisa, a política brasileira para fronteiras deveria ser revista, com o estabelecimento da cobrança de prova de vacinação para turistas e outros viajantes que desejam entrar no país de avião ou por via terrestre, em combinação com protocolos de testagem.   

+ O maior organismo do mundo está sendo lentamente devorado por cervos + Antigo parente humano ‘andava como homem, mas escalava como macaco’

A agência defende a exigência do passaporte sanitário para os visitantes, mas o Planalto é contrário à medida.   

A decisão de Barroso foi anunciada no dia em que estava prevista uma reunião do governo de Jair Bolsonaro com técnicos da Anvisa para discutir as restrições a viajantes para controle da propagação da Covid-19 no Brasil. No entanto, logo depois do anúncio, o encontro foi cancelado.   

Além da Anvisa e da Casa Civil, a reunião também contaria com a presença de membros dos ministérios da Saúde, Justiça, Infraestrutura e Relações Exteriores. (ANSA-Com Agência Brasil) (ANSA).   

SÃO PAULO, 6 DEZ (ANSA) – O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Barroso concedeu nesta segunda-feira(6) prazo de 48 horas para que o governo federal se manifeste sobre uma ação judicial que pede a obrigatoriedade de quarentena e comprovação de vacinação contra a Covid-19 para quem entra no país.   

A ação, protocolada pela Rede Sustentabilidade, chegou ao Supremo no dia 26 de novembro e foi distribuída para o ministro, que é o relator do caso. A legenda pretende tornar obrigatória a adoção de recomendações feitas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).   

“Determino a oitiva das autoridades das quais emanou a Portaria nº 658/2021, no prazo de 48 (quarenta e oito) horas, tendo em vista a aproximação do recesso. Transcorrido o prazo, os autos devem retornar à conclusão, para apreciação das cautelares”, despachou Barroso.   

Segundo a Anvisa, a política brasileira para fronteiras deveria ser revista, com o estabelecimento da cobrança de prova de vacinação para turistas e outros viajantes que desejam entrar no país de avião ou por via terrestre, em combinação com protocolos de testagem.   

+ O maior organismo do mundo está sendo lentamente devorado por cervos + Antigo parente humano ‘andava como homem, mas escalava como macaco’

A agência defende a exigência do passaporte sanitário para os visitantes, mas o Planalto é contrário à medida.   

A decisão de Barroso foi anunciada no dia em que estava prevista uma reunião do governo de Jair Bolsonaro com técnicos da Anvisa para discutir as restrições a viajantes para controle da propagação da Covid-19 no Brasil. No entanto, logo depois do anúncio, o encontro foi cancelado.   

Além da Anvisa e da Casa Civil, a reunião também contaria com a presença de membros dos ministérios da Saúde, Justiça, Infraestrutura e Relações Exteriores. (ANSA-Com Agência Brasil) (ANSA).   

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar