À CPI, diretor da Prevent Senior diz que não houve testagem de kit covid

Pedro Benedito Batista Júnior alegou ter havido "uma observação" dos pacientes que usavam os medicamentos após prescrição dos médicos

COMPARTILHE:

2021-09-22 17:06:11

Valor Economico

O diretor-executivo da Prevent Senior, Pedro Benedito Batista Júnior, admitiu nesta quarta-feira em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid que 'não existe medicação milagrosa' contra covid-19. Confrontado sobre a promoção de estudo com medicamentos sem eficácia contra a doença, também negou que a operadora tenha feito testagem com hidroxicloroquina e outros medicamentos do chamado 'kit covid'.

Batista alegou ter havido 'uma observação' dos pacientes que usavam os medicamentos após prescrição dos médicos. 'A observação dos 630 pacientes não foi um estudo. Nunca foi publicado. Por isso foi desacreditada', argumentou.

Segundo ele, uma 'série de pacientes exigia prescrição' do chamado kit covid: 'Não há crime na operadora em fornecer medicação para o paciente após prescrição do médico'.

Ainda segundo o diretor, os pacientes atendidos pela Prevent Senior estavam conscientes da participação no estudo sobre kit covid. Batista negou ainda que o uso de medicamentos fosse estratégia para evitar que pacientes com covid ficassem hospitalizados.

A aplicação da medicação, explicou, seguia orientação da equipe médica, respeitando sua autonomia. Como médico, o diretor afirmou utilizava todos os medicamentos cabíveis, sem citar nomes específicos, e negou que houvesse adoção orientada do chamado kit covid.

Batista disse que o médico que denunciou a prática de prescrever remédios do 'kit covid' cometeu 'crime' ao subtrair dados de prontuários e expor dados de pacientes. A defesa do diretor da Prevent Senior pontuou que ele não comentaria detalhes sobre pacientes atendidos pela empresa para não cometer 'infração médica' ao expor dado sobre pacientes.

Durante o depoimento, Batista se negou a comentar o tratamento do médico Anthony Wong, defensor de medicamentos sem eficácia contra covid e que morreu em um hospital da Prevent Senior no início deste ano. Segundo publicações recentes da imprensa, o médico teria sofrido complicações da covid, mas isso teria sido omitido na causa da morte.

Batista confirmou que a médica Nise Yamaguchi, uma das integrantes do gabinete paralelo que auxiliava o presidente Jair Bolsonaro na gestão da pandemia, era médica de Wong e acompanhava quadro do paciente.

O diretor também se negou a comentar detalhes sobre a morte de Regina Hang, mãe do empresário bolsonarista Luciano Hang, e não pode responder se ela foi submetida a tratamento precoce quando internada no hospital da Prevent Senior.

Batista afirmou desconhecer a existência de um gabinete paralelo sobre gestão da pandemia no governo federal, bem como relação com o governo e o gabinete, e negou que tenha antecipado informações de estudo da Prevent Senior ao presidente Jair Bolsonaro.

'A Prevent Senior não tem qualquer relação com qualquer gabinete. Fomos incentivadores e promotores da vacinação', argumentou.

Questionado sobre a relação com as empresas Vitamedic e Aspen, que fabricam medicamento do kit covid, Batista argumentou que se tratava de 'relação de compra', e negou que a Prevent Senior tenha participado da elaboração de um protocolo relacionado ao uso de remédios ineficazes contra covid-19.

COMPARTILHE:

COMENTÁRIOS

PUBLIQUE UM COMENTÁRIO

Enviar